segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Ninguém compreenderia um samba naquela hora

1. Tenho andado afastado dos blogs e da escrita. Achei que era só um recesso, ou que estava ocupado com o nascimento de minha filha (ou melhor, com o mundo em que a Clarice acaba de nascer) mas acho que não é nada disso.

Um pouco no embalo do Paulinho, que está no post logo abaixo, hoje eu vim, minha nega.

O fato é que tenho preferido assistir à novela das 8 a escrever poesia. E o que me trouxe aqui? justamente um episódio recente que me deixou muitíssimo abalado.

Recorto da minha revista de fofocas preferida:
Violência
Ator global Jackson Antunes é agredido e acaba no hospital
Publicado em 22.07.2008, às 12h24
O ditado "A vida imita a arte" virou realidade para o ator Jackson Antunes, que interpreta um homem que agride a esposa na novela "A favorita": confudido com seu personagem, Antunes foi agredido na rua, teve sangramento interno e ficou internado durante três dias.
Vítima de trombose na perna esquerda, o ator usava muletas e chegou a cair durante a briga. "Parece uma coisa medieval o que me aconteceu, mas acho que quando a novela provoca esse tipo de reação é porque está dando o recado e denunciando esse tipo de realidade", afirmou.
Fiz um samba sincopado, pra zombar do seu azar.

2. O Paulinho é mesmo um artista. E seu samba é POESIA. Copio uma fala do Elifas Andreato, que define define bem essa coisa - artista. Li no encarte do CD da Teresa Cristina:
Paulo Cesar Batista de Oliveira é um ser humano, um artista cuja vida e obra renovam cotidianamente o significado da palavra humanidade. Sem ele, o mundo seria ainda pior.
A razão poque mando um sorriso e não corro.

3. Bárbaros, crédulos, pitorescos e meigos. Leitores de jornais. A escola.

Guarda bem minha viola, meu amor e meu cansaço.

19 comentários:

  1. Eu também fui "demitida" da Escola Parque, mas era aluna. Na verdade, fui convidada a me retirar. Bom saber que estou em boa companhia.

    j.

    ResponderExcluir
  2. Será que em 1970, quando da fundação, a EP já tinha esses parâmetros estreitos? será que sua proposta de construtivismo, de vanguarda é apenas fachada para atrair incautos? não, eu não acredito nisso justamente por conhecer (e haver conhecido) gente que estuda/estudou lá. O que acontece, então? Claro, somos contra a má-educação, a imposição de conteúdo inadequado a crianças e adolescentes (embora ser contra tal coisa, em tempos de TV permissiva e internet, é quase como ser contra a lei da gravidade...). No entanto, a demissão do professor de literatura se deu por quê? parece que a Escola Parque o taxou de... tarado, lascivo ou coisa pior (quando estão no centro da discussão pessoas bem jovens, se é que me entendem). Um absurdo !!! Senhores donos da escola (não nomearei aqui): voltem a pensar ! por favor !!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Oi, o jornalista que escreveu a primeira matéria simplesmente copiou a descrição de "A Jogadora de Go" da internet, com as mesmas palavras. Jornalismo preguiçoso e parcial que influenciou a maioria das pessoas a fazer um julgamento que eu considero prematuro.

    Esse professor recomendou um livro contendo várias cenas de sexo violento a crianças de doze anos, que estão se iniciando ainda. Considero bastante irresponsável essa atitude. Se eu fosse pai de um desses estudantes, e descobrisse o que Oswaldo escreve no seu blog, certamente ficaria muito inseguro.

    Acho bastante estranho a mídia estar divulgando a atitude da escola como "censura" ou "ditadura", niniguém proibiu o poeta de publicar seus versos.

    ResponderExcluir
  4. Com esse marketing todo, quem sabe o Oswaldo não é descoberto como um dos maiores poetas da nossa literatura, eh?

    ResponderExcluir
  5. Tenho certeza de que esses mesmos pais não se sentem inseguros, tampouco preocupados, em saber que seus filhos assistem à novela das 8 ou a filmes de besteirol americano, nos quais sexo se faz muito presente.
    Comé que se prega educação construtivista se não conseguem ao menos livrar-se do tabu que existe ao tratar de sexo?
    Não, seus filhos não ouvem funk, não passam horas seguidas em frente a um computador conectados sabe-se lá com quem, presos em uma vida cujos pais não têm controle; não iniciam seus instintos precocemente manifestados na maquiagem excessiva, no corpo exposto... meu Deus... é MUITA hipocrisia!

    Mas aí eu me lembro também dum samba bastante cabido: "Leva o recado a quem me deu tanto dissabor... diz que eu vivo bem melhor assim, e que no passado fui um sofredor. E agora já não sou... o que passou passou".

    Força na peruca e power no laquê, Oswaldo!

    ResponderExcluir
  6. mandei esse texto pra toda a coordenaçao da escola, e voce nao tem ideia da quantidade de e-mails indignados que tenho recebido.


    Tirem o Cartaz da Porta
    Fui aluna da Escola Parque durante quase quinze anos e me formei em 2007. Quando falo da minha escola , ninguém acredita. Com uma média de 20 alunos por sala a escola não só sabia, como participava dos problemas pessoais da vida dos alunos. Com uma excelente equipe de psicopedagogos, a escola tornava-se um lugar lírico , um refugio repleto de opiniões e regado a Monteiro Lobato. Ao passo que fui crescendo a escola começou a crescer também e a receber um público muito diferente. Foi cada vez mais tornando-se uma máquina de “vestibulandos” que deve mante-la, ano após ano, entre as dez escolas de maior aprovação no Rio de Janeiro . Acontece , que o “Sitio do Pica-Pau Amarelo “ ,ficou pequeno demais e os problemas particulares impossíveis de se administrar. A solução foi entrar no mercado com a tradicional forma hipócrita e fora de seu tempo, até então utilizada pelos colégios de ordem militar e religiosa, porém, por estes, mais honestamente .
    Por trás de um cartaz de ensino Piaget a Escola Parque criou um ambiente de censura, onde coordenadores são despedidos por falta de aprovação no vestibular, e poetas ,por atentado ao pudor. Escrevo banhada por uma enorme decepção e tristeza , mas em outros tempos nesta mesma escola aprendi ,que na sociedade democrata que vivemos , não podemos morrer com um grito preso na garganta .Sou da época do concurso de crônicas , das palestras políticas e debates , hoje impraticáveis pela multidão. Lamento muito que na ganância pelo pódio a solução tenha sido colocar muita água no feijão.
    Juliana Menezes

    ResponderExcluir
  7. Caro professor e poeta, vamos espalhar a indignação. Escola que faz isso não merece ser chamada de escola. Contei a história em meu blog "Poesia Nômade" (www.alexandremarino.com) e linkei ao seu.

    ResponderExcluir
  8. Tô indignado também. Estupidez.
    Continue escrevendo e se quiser mais espaço tem meu blog http://carlosvilarinho.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Caríssimo Oswaldo. Lamentei profundamente o que lhe ocorreu; lamentei como se meu amigo fosse... Me sinto sempre assim, como alguém que vai ser ceifado pela estupidez, e não sabendo o que fazer lhe fiz um podcast, que está nesse meu endereço.http://www.lucianoalvarenga.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Áudio sobre o lamentável http://www.goear.com/listen.php?v=63c2f3c

    ResponderExcluir
  11. Oswaldo, manifesto aqui a minha indignação pela atitude boçal, obscurantista, fascista e sumamente hipócrita. Compreendo a sua atitude em relação à decisão de não processar a escola, ela é sensata e justificável, mas é preciso que a "midia" mantenha o assunto no noticiário para que a hipocrisia generalizada fature algum prejuízo.
    Você tem meu apoio, mas depender da "midia" é dose.
    Mendel Rabinovitch

    ResponderExcluir
  12. é isso aí gente, histeria geral! é ditatura, é censura! todo mundo concordando com o jornal sem pensar muito, nem se informar mais cuidadosamente.

    ResponderExcluir
  13. Não, meu amigo, não é ditadura, imagina... confundir vida profissional com a produção artística fora do ambiente de trabalho não é censura não. Vivemos em uma aparente democracia e você tem todo o direito de expor sua opinião moralista e puritana, mas veja bem, dê uma olhadinha à sua volta...

    ResponderExcluir
  14. Pedagogia do marcartismo é a "nova" filosofia de ensino caça níquel da Parque.

    ResponderExcluir
  15. Uma sociedade hipócrita! Insana, com tantas barbaries por aí, nos noticiários, pais que querem 'mascarar" o que o filho vê (escondido deles)na internet, na TV e aí vem e acha que dar uma sugestao de leitura é um crime? Então Jorge Amado não deveria ter sido da Academia...Pasma! Tenho 2 filhos, permiti leitura de tudo, não são loucos, viciados, marginais,são cidadãos mais que normais e informados e cultos num País de ladroes e decepadores de cabeças ainda pensantes. Pasma!

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. Oswaldo, confesso que não fiquei surpreso ao ler a matéria na Folha e no Observatório da Imprensa. Atualmente, as instituições particulares de "ensino" no Brasil servem exclusivamente para atender os interesses de uma boa parcela da classe média - hermética, hipócrita, alienada e, sobretudo, incapaz de compreender que a verdadeira educação não é clichê, muito menos valor da mensalidade.
    Se os pais dos alunos soubessem o que se passa nos bastidores do ensino privado neste país, aí sim se sentiram inseguros em matricular seus filhos em colégios particulares. As regras do jogo dessas pseudo-instituições de ensino são bem claras, só não vê quem não quer: enganar os pais e iludir os alunos a fim de manter os lucros. E, nessa história, o professor é um simples agente, muitas vezes passivo, e, quase sempre o bode expiatório quando os podres emergem. Enquanto o lucro das instituições e a ignorância dos clientes permanecer, pouca ou quase nenhuma esperança prevalecerá no front.

    Grande abraço do também professor Caim.

    ResponderExcluir
  18. Ref ao caso do Colégio Parque

    Sugiro aos diretores desta escola que enviem um comunicado aos pais alertando-os para que seus filhos diferentemente das demais crianças não visitem museus, bienais de cultura geral, não ouçam Rap, não vejam novelas e também não leiam a Bíblia Sagrada (exemplo claro de atos insanos praticados contra seres humanos),pois os mesmos sofrerão, segundo a filosofia da escola em questão, um desvio de personalidade.


    Adilson Pires aluno do Prof Sérgio da UFSC.

    ResponderExcluir