quarta-feira, 5 de setembro de 2018

repto


o rosto no sinal impotente
pede aos transeuntes bala

das bexigas que lhe enfeitam
plange lhe na cara o riso torto

os beijos que voam perdidos
em torno de sua perna coxa

(oswaldo martins)

duas desimitações


desimitação de mario de andrade

nos livros encomendados
pelos ancestrais da fiesp
caem – de boca – no amor
das fodidas fräuleins

desimitação de jorge amado

aquela teta a mutreta da treta
não se assume como a boceta
de tieta

(oswaldo martins)

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

aforismos circulares


1
a arte é banana de dinamite, explodindo sobre o nada.
2
o nada, um campo aberto sobre o qual há centelhas aleatórias.
3
a junção das fagulhas cria uma explosão que alarga o nada em outra nada mais amplo.
4
nadificada pelo nada a vida se recoloca trágica e anônima.
5
trágica e anônima a vida tende às fagulhas e ao campo aberto da aleatoriedade da arte.

(oswaldo martins)

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Grupo de Leitura


Grupo de Leitura

O objetivo dos encontros está em colocar em circulação ideias e discussões sobre romances seminais da Literatura Universal. Serão quatro encontros mensais. Com duas aulas dedicadas ao estudo do autor, da época, da série literária em que se insere o livro e dois romances lidos.

Programação

Livro 1 – Dom Casmurro
Encontro 1 – dia 04/09 – Apresentação sobre Machado de Assis
Encontro 2 – dia 11/09 – Debate sobre o livro
Livro 2 – Sonata a Kreutzer – Lev Tolstói
Encontro 3 – dia 18/09 – Apresentação sobre Lev Tolstói
Encontro 4 – dia 25/09 – Debate sobre o livro

Local: Rua Pires de Almeida 76/201- Laranjeiras
Duração dos encontros 1:30 h.
Custo: 400,00 reais os quatro encontros
Horário: das 20:00 h às 21:30 h
Mediador de leitura: Oswaldo Martins

Inscrições pelo tel 981438622

Obs: O grupo se formará com o mínimo de 4 pessoas e o máximo de 6 pessoas.

Oswaldo Martins, nascido em Barbacena – MG, em 1960, reside no Rio de Janeiro desde 1979. Fez graduação em Letras (Português-Literatura), pela PUC-RJ o mestrado (Literatura Brasileira), pela UERJ. Autor dos livros desestudos (2000 -  7 Letras / 2015 TextoTerritório); minimalhas do alheio (2002 – 7 Letras / 2015 – TextoTerritório);  lucidez do oco (2004 – 7 Letras / 2015 – TextoTerritório) cosmologia do impreciso (2008 – 7 Letras); língua nua (com ilustrações de Elvira Vigna 2011 – 7 Letras); lapa (2014 – TextoTerritório); manto (2015 – TextoTerritório). Tem no prelo o livro paixão (sobre imagens de Roberto Vieira da Cruz), a sair no ano de 2018.

Fez os roteiros dos filmes Urânia, poema de Alexandre Faria (com Felipe David Rodigues – 2009); Venta-não, (com Felipe David Rodrigues e Alexandre Faria – 2013). É editor da TextoTerritório.

terça-feira, 7 de agosto de 2018

desimitação de safo


as moças acorriam aos jardins de safo
asseguravam-se dos movimentos
dos passos leves
da vinha

nas academias aprendiam
a ardentia de suas rosas loucas

em seus peitinhos safo arranjava
flores de mirto e o sabor da hortelã

eros então dispunha
águas e temperos aéreos

as moças observavam a lua as constelações
quase nuas e deitadas a terra indagavam
da construção de espantos

cedo abandonavam seus pais

por eros
por safo

por lesbos – ilha de amores

(oswaldo martins)

desimitação de hafiz

todo meu gozo é beber vinho
dos amados lábios
(hafiz)

os lábios tintos
de uma puta

dançam o mambo-jambo
com as pernas trêmulas

a chamar, carlinda,
pequena vadia,

minha hortelã
minha sífilis

gozo e extermínio
de meus dias

(oswaldo martins)

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

poema do novo livro - paixão


cervantes e aleijadinho

costas são documentos de inverdades
lanham-se nas possessões de espanha
tal triste figura a beber nas tavernas
como se da cruz o copo compusesse

dulcinéias em madalenas de pedras

quinta-feira, 26 de julho de 2018

autorretrato


desimitação para o 19º século


levantada a batina beneditino sua
com esforço esforça a testa imunda
o comprimido verso toma pela tunda
ou pelo medo de enfrentar a turba

disforme e sem emprego pelos becos
beneditino corre como um pobre clérigo
de cuja paróquia rouba não o verso
mas o assalto a um templo grego

ei-lo aí a misturar às datas vênias
a curitibana plateia de asininos filhos
a benzer-se com os diabos da maleita

pobre é a sentença a quem se deita
perdido o andaime do edifício
no etéreo terreno dos artifícios

(oswaldo martins)

quarta-feira, 18 de julho de 2018

desejos (nova versão)



1

ela se sentava
ao colo a manta
e uma xícara de pedinte

+  os olhos
+ os desejos

bem se viam
bem se desejavam

2

a manca – menos que um dos joelhos
as coxas firmes desenhavam vértices
prometedores

3

ela lava a xoxota na bacia das almas
apertava bem para ver se não pinga

quando se mudou levou a bacia mais o jarro
o enfermeiro atalhou ser ali

o cuidado das bruxas

4

só pele e osso
gritavam

enquanto o moço
enquanto a moça

com cada um se agarrava
pelo amor de outros

5

todos escusos amores
vivem para os almanaques
das anotações diárias
dos desejos embaçados

os prontuários da paixão

(oswaldo martins)