domingo, 12 de julho de 2020

sintaxe de pasolini


o riso dos parvos
o riso da mulher do parvo
o riso do ricardão da mulher do parvo

o mundo das grutas
o mundo das grutas da peste
o mundo das grutas da peste do decamerão

o milagre de deus
o milagre das freiras de deus
o milagre do mudinho das freiras de deus

a leitura
a leitura para uma mão só
a leitura para uma mão só e os atavios de onã

(oswaldo martins)

sábado, 11 de julho de 2020

Plano


No princípio era o verso. Havia saído o verbo.
Ao redor só o estágio de coisas.

(Claudio Correia Leitão)

sábado, 4 de julho de 2020

desimitações


4

nos livros encomendados
os ancestrais da fiesp
caem – de boca – no amor
das fodidas fräuleins

capítulo 1


1

Quando JM não nascera, as partes de seu corpo pairaram sobre diversas cidades do mundo. Tivera a sorte de as conhecer antes de que dele soubessem. Não vagou pelo mundo à toa, antes compreendera que não estar era uma forma mais profícua de se dar a apreciar e recolher pedaços de realidade que mais serviam para traduzir um sistema falto de sentido. Imiscuíra-se entre as gentes e, por isso, frequentou espaços jungidos em suas diferenças, sem a necessidade de traduzi-los nas formas aceitáveis da alienação, que mais se pareciam a enormes rinocerontes, a rostos desfeitos pela multiplicidade dos olhares, a corpos nus e bem dispostos pelas ruas, trabalhados com as réguas perfeitas do entendimento. Vivera o anímico das mitologias, antes de os homens pensarem nos significados que iriam adquirir, para que eles pudessem dar respostas elaboradas aos enigmas, às físicas universais, ao amor e aos trigos, com que fizeram o pão, às bagas de uva e aos desesperos, com que cavaram sepulturas na terra. Assistira à entronização da exploração antiga e às televisões e aparelhos do mundo contemporâneo, tudo reificação do medo e da miséria, transvestida em letras garrafais. À sedução do inalcançável, este bichinho que rói como uma bandida, fabricada às pressas para construir um arcabouço explicativo a que faltaram peças para se escancarar a máquina de moer e destroçar corpos.

Um porco, enorme capado, rebolava o rabinho. Era uma graça de se ver, mas JM não vivera para apreciar a maciez dos tenros pernis. Estivera ali, é certo. Tocara adiante e reservou para este lugar o esterno, com o assombramento dos que intuem se colocar no lugar do nobre animal. Dispensara o banquete, a flauta que tocava não traduzia em sabor a réstia de sol que se abateu bem no centro nervoso. Guinchava na descoberta cuja lição os livros de anatomia escondiam, com discursos vãos sobre o sustento da vida, sobre a ternura, transbordada dos olhos recém esfaqueados na celebração do festim da órbita oca.

JM ainda não fora ao longo do tempo, que invernara nos antes dos conformes do nascer, um Zé, um João Ninguém, o nano corpo a ser formar, durara séculos de probabilidade e nada que se pudesse tentar para fazê-lo pular para dentro da vida lhe dera suficiente sagacidade. Desenho que atirava toscos tocos na direção infinita das pipas de céu e vento.

Os baba-ovos, os remenda-corvos, os salve-salve torciam as mãos satisfeitos com o monstro que teimava, que teimava em se manter, enfim, até onde pudera só já não nascer.

(oswaldo martins)

sexta-feira, 19 de junho de 2020

Basta um dia, Chico Buarque e Paulo Pontes


O casal poema de Tomas Transtömer

Apagam a luz, o globo branco treme
um instante antes de se desvanecer
como um comprimido num copo de escuridão. Às escuras,
as pardes do hotel elevam-se, atingem o negrume celeste.

Os movimentos do amor esmorecem, eles dormem,
mas os pensamentos mais íntimos encontram-se
como duas cores que esbarram e se misturam
no papel umedecido da pintura de um garoto na idade escolar.

Ainda não é dia claro e há silêncio. Porém, a cidade acercou-se.
Com janelas apagadas, as casas estão ali.
Juntas umas às outras, à espera, muito perto,
uma multidão com rostos sem expressão.

(Tomas Transtörmer - Tradução Alexandre Pastor)

domingo, 14 de junho de 2020

Um poema de Maria Borio

Farnese
 
La ventana a la luz le dice “no imaginas”,
apoyate en la pared como si fuera una calle.
 
La espalda desnuda ya no tiene frío. Estas son las cosas
que nos habitan: el cristal transparente, la pared ciega,
 
nosotros por las cosas, una calle curva en la pared,
la pared al interior de venas lenticulares.
 
Todo percute como el bronce en el desierto: es la inocencia
que mueve la cabeza. Me habitas así, como el día
 
en la plaza que Giordano Bruno era aquel pequeño
fuego de todos. Te habito, el sonido que se aleja
 
de los edificios atrapados, la campanilla en la pared dura,
caliente como un fluido que mueve la cabeza.
(Traducción Mario Pera)


Farnese

La finestra a una luce dice “non immaginate”,
appoggiatevi alla parete come fosse una strada.

La schiena nuda non ha più freddo. Ecco le cose
che ci abitano: il vetro trasparente, il muro cieco,

noi per le cose, una strada curva sul muro,
il muro dentro vene lenticolari.

Tutto batte come bronzo sul deserto: è innocenza
che muove la testa. Mi abiti così, come il giorno

sulla piazza che Giordano Bruno era quel piccolo
fuoco di tutti. Abito te, il suono che si stacca

nei palazzi incastrati, la campanella sul muro duro,
caldo come un liquido che muove la testa.