quarta-feira, 27 de março de 2013

Eugênio Hirsch


O austro-portenho Eugênio Hirsch tinha um sentido de Brasil muito agudo. Sua fala – se traía suas origens – denunciava também uma compreensão do país bem mais intensa do que a de muitos que aqui nasceram. Tanto que, para os que com ele privaram, sua voz, que nos interpretava como bem poucos, dando-nos uma dimensão maior, se transforma numa voz mítica, macunaimaica.

(oswaldo martins)

Breve abecedário da mulher


E

Amor,
escravidão servida livre
em cântaros eternos.

F

A aurora enfeita seu corpo
seu corpo enfeita a noite.

G

Seu perfume são acentos
no livro de seu corpo

(Adônis)

terça-feira, 26 de março de 2013

Jocelena



minha manicure me tira do sério
ela cantarola enquanto trabalha
assobia se comete um erro
as pessoas parecem não saber
a diferença entre
inocência e imaturidade
eu não sabia
até que encontrei a jô
e sua cantoria toda. 

(Lúcia Leão)

poste em matéria para o desassossego


para elvira vigna

se iluminam
a rua

se do céu
partem

o ocre
dos mapas

se da terra
a cidade

mapeada

(oswaldo martins)

Brincanagem 6


nestes versos devo declarar
que de boa-fé apanhei muito
de onde menos esperava

também nestes versos direi
ainda em boa-fé e de mãos postas
que de hoje em diante ocultarei as cicatrizes

de nada importa exibir tais flagelos
se o barco singra enseada mansa e acolhedora
ainda que rente ao ocaso fatal

(Ricardo Tollendal)

Breve abecedário da mulher

c

a luz tremeu nas paredes de sua casa
quando me atingiu em cheio:
sim,
não é o espírito que lembra
mas o corpo.

d

amor
peito aberto
mas o peito tem uma voz
que lembra língua extinta.

(Adônis)

Sessão Taoísta


para Paulo  Coelho

o mestre disse a seu discípulo
o verde não é verde
o verde é amarelo
o azul não é azul
o azul é branco

de que cor é o amarelo
perguntou o mestre
o discípulo deu-lhe uma bofetada na cara
erraste disse o mestre
essa é a cor do azul.


elesbão ribeiro
25/03/13

sábado, 23 de março de 2013

Bricanagem 5


desde cedo me diverte
um faniquito de vizinhas arreliadas
sucedido pela ira santa
do sujeito encanecido
que deixou de arrebanhar certa merreca

tudo isso se soma
aos acidentes do feriadão
mentira política e familiar
pancadaria no futebol
ao noticiário alarmista
a guerras feitas para acabar com a guerra
ao restante do desacerto humano

aqui nos puseram para sobreviver
com mínimo esforço e desfrutar
do que ainda presta

daí ficar pasmo de haver criaturas
exasperadas
aturdidas
torturadas
por não compreenderem a dita realidade
até perderem noite de sono
com a insanidade dos semelhantes

(Ricardo Tollendal)

Poesia 2013 Adônis

BREVE ABECEDÁRIO DA MULHER

A

Ela
começou a vida como um fogo único
e sem igual serão suas cinzas.

B

Se amor, forma passada,
só dialoga com o futuro.

(Adônis)

sessão


sessão

para charles bukovski

a minha amada é mesmo uma mulher inpagável
trouxe-me pra casa do hospital
tinha operado o joelho
abriu uma garrafa de vinho
acendeu um charuto
abriu as pernas
vamos cuidar desse joelho.

elesbão ribeiro
22/03/13 

sexta-feira, 22 de março de 2013

Poesia 2013 Síria


A sibila

Sibila acendeu na minha testa
o incenso e ao sonho se entregou
como se as pálpebras fossem leito

Ó sibila dos séculos diga-nos
algo sobre o deus que agora nasce
__ Há mesmo o que adorar em seus olhos?

(Adônis)

Espelho do corpo do outono

Você já viu como a mulher
carrega o corpos do outono?
Primeiro ela mistura o rosto e a calçada
depois tece um vestido com os fios
                da chuva
as pessoas
                na cinza da rua
são brasa apagada.

(Adônis)

(trad. Michel Sleiman)

quinta-feira, 21 de março de 2013

CONSTATAÇÕES IRREFUTÁVEIS E OUTRAS MERRECAS


Não deve haver luta entre piano e orquestra. Seria um combate desigual. Mas o concertista também não deve pôr as manguinhas de fora.

Narizes foram feitos para servir de obstáculo ao beijo. Até a natureza conspira contra o prazer.

Desfile de escola de samba guarda alguma parecença com eleição de papa: mesmo não sendo adepto, todos querem saber quem vencerá.

Me interessa o número de voltas ao redor do mundo, constituídas por tudo o que humanos já puseram no papel. Para não encompridar, tento ser morigerado e conciso.

Imaginação é o maior atributo da criatura humana quando não tenta transpô-la para a realidade. Torná-la real inevitavelmente resultará em desastre. 

Todas as coisas prazerosas são condenadas: o gole, o coito e a mentira. Trata-se de um complô.

Se você não identifica na realidade um colossal bolo de merda, esse bolo cairá sobre sua cabeça.

Ideologia burguesa é a que propõe imobilizar todos os semoventes como se fossem estátuas.

O homem comum se contenta com o que lhe passa debaixo do nariz. Os dotados de inventiva – poetas da palavra ou de outro instrumento – desconfiam do que se oculta sob as aparências.

Aponte aos semelhantes um caminho que sejam incapazes de trilhar, e eles o matarão.

Tamborete não é parente de pandeiro nem de tamborim. Ele não produz som. Serve apenas para descansar a bunda, que é um verdadeiro instrumento sonoro e involuntário.

Taverna é nome composto. Designa távolas apinhadas na caverna.

O papel registra sublimidades tediosas ou abobrinhas elementares. Mas não fui eu quem cortou a árvore.

Turista é o cara que toda noite mergulha os pés numa bacia de água morna e sal.

Já que o gelo polar se derrete, nada de pânico. Falta somente lhe adicionar algum teor alcoólico.

(Ricardo Tollendal) 

quarta-feira, 20 de março de 2013

Pilulinha 30


Tempos difíceis foram vividos pela juventude, quando a repressão recrudesceu. As opções libertárias estavam fechadas, sobretudo nas gerações de 60 e 70. Diversos relatos e mesmo obras ficcionais dão conta deste período negro, em que os meninos e meninas se punham, como dava, na vida.

O romance de Ronaldo Correia de Brito, Estive lá fora, deslocado dos humores das cidades que requerem para si o ufanismo dos tempos difíceis, faz um corte radical e repropõe a leitura do significado dos tempos de repressão e tortura, descentrado da visão viciada seja dos militantes seja dos desbundados da contracultura. Ao centrar sua narrativa em Recife e nas lutas citadinas de quem vem do interior do estado, inaugura uma reflexão pouco usual na literatura contemporânea brasileira.

O mundo urbano é circundado pela percepção conservadora – que se desfaz com o contato com a sibila da morte e do esquecimento – que atinge tanto os personagens envolvidos na trama quanto os que, à sombra da decadência de um mundo que já não há, temem pelo desaparecimento de uma maneira de saber a vida.

É sabido que o regime militar – via atuação midiática – destruiu os valores da diferença e igualou as condutas morais e imorais num mesmo pacote de desejos e consumo. O romance do escritor cearense, ao calar sobre a invasão das novas formas de consciência, traduz, com precisão e com um rendimento crítico profícuo, esta destruição, quando nos apresenta personagens que agem como zumbis inquietados numa sociedade que os produziu quietos e conformes.

O grande mérito de Estive lá fora é tomar não o ponto de vista histórico para relatar um mundo pasmado em um país destroçado, mas, pelo caminho da dobra ficcional da palavra, permitir perceber que o aetismo cultural e político se intensifica num momento chave da história nacional e produz – como bem o sabemos – no presente, um deslocamento radical entre sociedade e sua representação política e cultural.

(oswaldo martins)

Jesus Orta Ruiz poesia cubana


Una parte consciente del crepusculo

EI tiempo cae sobre nosotros, pero
no se siente caer mientras la vida
va ruidosa, embriagada, enloquecida,
como el andante que no ve el sendero.

EI tiempo cae sobre nosotros, pero
mientras hay una meta prometida
no se siente el gotear de su caída
ni consulta relojes el viajero.

Arrobados de sueños y paisaje
creemos infinito nuestro viaje,
pero ¡ay! El viaje es demasiado breve.

En vísperas del fin) viene la calma
y se siente caer — cernida nieve —
el tiempo gota a gota sobre el alma.

(Jesus Orta Ruiz)


Uma parte consciente do crepúsculo


o tempo cai sobre nós, mas
não se sente cair enquanto a vida
vai ruidosa, embriagada, enlouquecida,
como o andarilho que não vê o trilho.

O tempo cai sobre nós, não obstante
enquanto haja uma prometida meta
não se sente o gotejar de sua queda
nem consulta relógios o viajante.

Arrebatados por sonhos e paisagem
Achamos infinita nossa viagem,
mas credo! essa viagem é muito breve.

Às vésperas do fim, ocorre a calma
e se sente cair - cernida neve -
o tempo gota a gota sobre a alma.


(Trad. Alai García Diniz, Luizete Guimarães Barros)

Ali Calderón poesia mexicana


Valkirias de venenosas vulvas

probaron la sal de mi entrepiema
En dunas de fina y tersa piel
con la lengua hilaron
mis mas íntimos vestidos
En sus grupas de nao capitana
conocí el amor
y tomé de él
hasta la última fibra.

Siguiendo el cuarto creciente
me cubrió el mar
en marejada.

(Ali Calderón)


Walkirias de vulvas envenenadas


provaram do sal de minhas entrepernas
Em dunas de fina e tersa pele
com língua teceram
minhas mais íntimas vestes
Em suas ancas de nau capitã
conheci o amor
e extraí dele
até a última fibra.

Seguindo o quarto crescente
cobriu-me o mar
em maresia.

(trad. Antônio Miranda)

terça-feira, 19 de março de 2013

Maya Cu Choc poesia guatemalteca


Me Gusta

Me gusta
mirar a la cara
de las gentes
que caminan
sobre la muerte
en las aceras

porque
puedo hacer
una primera lectura
echar una ojeada
en las costras
que sus carnes
les hacen
a los días
—podría decirse
que ya no miro
nada en
tu ojos—

decronstruyo
la historia posible

veo
cómo cargo de repente
todas sus amigas
sus ojeras

y tengo que imaginar
las avellanas listas de tus cuencas
para descansar.

(Maya Rossana Cu Choc)


Gosto

Gosto
de olhar a cara
das pessoas
que caminham sobre a morte
nas calçadas

porque
posso fazer
uma primeira leitura
dar uma olhada
nas crostas
que suas carnes
fazem nelas
dia a dia

poderia dizer
que já não vejo
nada em
teus olhos

desconstruo
a estória possível

vejo
como carrego de repente
todas as suas rugas
suas olheiras

e tenho que imaginar
a avelã pronta em tuas órbitas
para descansar.

(trad. Fernando Mendes Vianna)

Maria Montero poesia da Costa Rica


La única luz del mundo
(De La mano suicida)

La única luz del cuarto
ilumina la mirada de Oscar Wilde
sentado hace un siglo al lado de su amante.

Mis palabras han muerto.
Nada puede salvarlas ya
de esa arquitectura que pone su
acento en las órbitas vacías.
Donde ellas estuvieron
sólo me queda una pared
iluminada por el tedio.

La única luz del cuarto
no me permite el mundo.

(Maria Montero)


A única luz do mundo
(De La mano suicida)

A única luz do quarto
ilumina o olhar de Oscar Wilde
sentado há um século ao lado de seu amante.

Minhas palavras morreram.
Nada pode mais salvá-las
dessa arquitetura que põe seu
acento nas órbitas vazias.
Onde elas estiveram
só me resta uma parede
iluminada pelo tédio.

A única luz do quarto
não me garante o mundo.

(trad. Antônio Miranda)

segunda-feira, 18 de março de 2013

Carlos Careqa - MADE IN CHINA

https://www.youtube.com/watch?v=k_9fExWH0oU

Made in China




O Macintosh tem sangue chinês
O meu casaco um peruano fez
E a bicicleta ergométrica
Foi um cigano japonês
A cobertura do bolo holandês
Não está mais ao gosto do freguês
Minha vizinha senegalinha
Comeu mais um frango xadrez.

Tudo é Made in China
Tudo é medicina e não vai melhorar
Tudo é uma estranheza
Lá em Fortaleza já tem Bagdá
Tudo parece perfeito
Mas o meu prefeito
Não quer trabalhar
Este relógio de marca
Parece não marca
As horas que ele finge marcar.

Não tenho sangue nas veias
E aquela baleia não quero salvar
Já fiz a minha promessa
Não vejo mais peça
Onde não possa atuar
Eu sou um cara nervoso
Não como mais ovo
Que eu não veja botar
Fiquei um pouco assustado
O pessoal de Kosovo
Já pode votar.

(Carlos Careqa)

domingo, 17 de março de 2013

Na boca


Começaram a conversar do nada. Não se conheciam. Falaram bem à vontade.  Só depois soube que ela era de fazer programas Pedira o número do telefone dele. No dia seguinte ele viu no celular uma chamada perdida. Era dela. Estava na caixa postal, não deixou recado. Dizia o nome dela e dizia fazer tudo, tudo de amor. Ligou outra vez para ter certeza do que ouvira. Não deixou recado, nada disse. Pelo número registrado do telefone dele, ela saberia que ele tinha ligado.
Dias depois, ligou. Sugeriu um encontro que ele recusou. Não estava interessado em fazer programa com ela. Não quero fazer programa, quero ver você. Você não vai pagar nada. Que mais? Perguntou ele. Eu deixo você beijar na boca. Eu quero que você me beije na boca na boca. Na boca, ouviu?

elesbão ribeiro

Catalina Gonzáles poesia boliviana


Vaivem

De tanto vestirnos y desnudarnos
estamos envejeciendo.

Nuestras imágenes em múltiples espejos
se van quebrando lentamente.

¿Qué traje eligiremos hoy,
el de la vida o el de la muerte?

(Catalina Gonzáles)


Vai-e-vem

De tanto vestir-nos e despir-nos
estamos envelhecendo.

Nossas imagens em múltiplos espelhos
vão se rompendo lentamente.

Que roupa usaremos hoje,
a da vida ou a da morte?

(trad. Antônia Miranda)

Alberto Antonio Verón poesia colombiana


Calle de los milagros

Convencer
A mi cuerpo
que no exprese nada,

                            nada contrario al afán de vivir,
                            nada distinto a la certeza del deseo.

(Alberto Antonio Verón)


Rua dos milagres

Convencer
meu corpo
que não expresse nada,


                                      nada contrário ao afã de viver,
                                      nada diferente da certeza do desejo.

(trad. Antônio Miranda)

Kori Bolivia poesia boliviana


¡ Duele!

Duele mi pueblo hambriento,
el niño con su faz descolorida.
Duele escuchar el viento
solitario de la patria empobrecida.
Esa carcajada misteriosa
hija de la muerte.

(KORI BOLIVIA, La Paz, 24-10-74, do livro Espuma de los días)

Dói

Dói meu povo faminto,
a criança de rosto descolorido.
Dói escutar o vento
solitário da pátria empobrecida.
Essa gargalhada misteriosa
filha da morte.

         (Tradução de Anderson Braga Horta)

sexta-feira, 15 de março de 2013

Josefina Pla Poesia Paraquaia


TIEMPO VESTIDO DE MUJER

Yo no tuve otro viático
que mi ansiedad de cielos
mi furia por vivir

y ver la espalda esquiva de los sueños
mi ciego anhelo de perder
mi cuerpo
en otro
cuerpo ciego

Yo no tuve jamás sino esa sed
yesca oculta de todos los incendios
en ansia
de alcanzar mis raíces descolgándose adentro
desde este corazón que ya consume
en tizón el cansancio del recuerdo
y en que germina oculto
el musgo del silencio.

(Josefina Pla – La llama y la arena, 1987)

Carmen Martin Poesia Chilena


hay estatuas sin ojos
que miran las ventanas y marcan
con el dorso aflado de tu abrigo
el tiempo que inventas y no logro descifrar

(Carmen Martin)

quinta-feira, 14 de março de 2013

Simón Zavala Guzmán Poesia Equador


La odisea

Busca Ia longitud dei
firmamento
la imagen dei espejo
abre la noche con tu barco a
velas
lanza tu catalejo a perseguir
planetas
si una estrella te guía
muérdele los pezones y seca
Siempre Ia red para mañana.

Encontrarás la llave. Esa costa
imposible que alimenta tu viaje.
ese Ulises que te metiste
adentro
cuando inventaste el muelle.
Aguarda
no te vacíes sobre Ia liquidez
del mar
sigue el itinerário de los peces
el paso de los sueños
el trigo de tu pan. Descubrirás
la ciudad que deshiciste en tu
imaginación
la que ha tendido el límite a tu
brújula.

Cuando regreses junto a la chimenea
ella estará tejiendo la esperanza.

(Simón Zavala Guzmán)


a odisseia

Procura a longitude do
firmamento
a imagem do espelho
abre a noite com teu barco
a velas
lança tua luneta para perseguir
planetas
se uma estrela te guia
morde-lhe os mamilos e seca
a rede para amanhã.

Encontrarás a chave. Essa costa
impossível que alimenta tua viagem.
Esse Ulisses que colocaste por
Dentro
quando inventaste o porto.
Aguarda
não te esvazies sobre a liquidez
do mar
segue o itinerário dos peixes
o passo dos sonhos
o trigo de teu pão.  Descobrirás
a cidade que se desfez em tua
imaginação
a que acrescentou limite à tua
bússola.

Quando regressares junto à chaminé
ela estará tecendo a esperança.

(trad. Nina Reis)

quarta-feira, 13 de março de 2013



Alejandra Pisarnik

Dois poemas de Alejandra Pisarnik


Naufragio inconcluso

Este temporal a destiempo, estas rejas en las niñas
de mis ojos, esta pequeña historia de amor que
se cierra como un abanico que abierto mostraba a la
bella alucinada: la más desnuda del bosque en el
silencio musical de los abrazos.

Amantes

una flor
no lejos de la noche
mi cuerpo mudo
se abre
a la delicada urgencia del rocío

(Alejandra Pizarnik)

teoria três das partes do universo


eu, o multiplicador de celas
eu, o inventor da ordem
eu, o anjo senhor

eu, desavindo
eu desalinho
eu, desacoimado

tomo os corredores
velho morador

eu, o construtor de mundos
eu, o navegador maluco
eu, o servo senhor

passeio os astros
pedra

solto

eu, arthur
que assino o mundo

(oswaldo martins)

Bricanagem 4


conforme entendimento
inda há pouco introjetado
tudo é matéria de poesia

bagaços e miuçalha
mínimas noções fugazes
importa estar atento
para captação
para relacionar
alhos a bugalhos

unhas crescem
molhadas amiúde
poemas fulgem
quando há vigília

(Ricardo Tollendal)

Do Elesbão


amor não se tem
é sentimento de que se carece.

elesbão

segunda-feira, 11 de março de 2013

Man in a chair



man in a chair
Lucian Freud


Esperar sentado, mas sem
relaxar os músculos. Mãos
tensas nas coxas como quem
prestes a se levantar. Não

como quem, à espera, descansa.
E sim como se encurralado
na cadeira.  Sem esperanças
nem expectativas. Sentado

na cadeira como quem não
espera exatamente nada.
sem certezas, com exceção
da única, e indesejada.

(Paulo Henriques Britto – Formas do nada)

domingo, 10 de março de 2013

Bricanagem 3


nosso universo
melhor: universo que invadimos
vive aprontando alquimias térmicas
pra quebrar monotonias

sol de maio nunca aquece
como em novembro

a luz afeta cores
para felicidade de pintores e fotógrafos

diria mesmo que é regozijo irrestrito
a não ser quando chove

convém não esquecer
- epicuristas desvirtuados -
que água é parte integrante
de todas as tramoias físico-químicas


(Ricardo Tollendal)

sábado, 9 de março de 2013

A namorada


Li hoje no facebook notícia sobre a namorada do ministro do STF. A notícia é meio canalha, que me desculpem os puros ou os puristas. Alega o blog, que noticia, ter a namorada 24 anos e com ele passear pelas praias de Trancoso de mãos dadas. Como não sou, como na música de Aldir Blanc, polícia da xereca da vizinha ou do vizinho, o fato de que o Ministro esteja namorando não me interessa. Que o ministro namore é lá com ele.

Não pretendo o conservadorismo dos erráticos. Que todos trepassem muito, que todos namorassem, se beijassem fora da hipocrisia dos quartos fechados, mas nas repartições e tribunais, nas praça pública, e não só em Trancoso, no Rio ou Brasília, sem as liturgias dos cargos, sem o discurso tosco e bacharelesco que sempre dominou as elites do país e fizeram da linguagem hipócrita um lugar propício às dominações veladas. A trepada ou mesmo o beijo a céu aberto. Que os presidentes e presidentas de quaisquer órgãos possam dançar os carnavais com uma bela mulher ou um belo homem desnudos.

O inaceitável para mim, no que tange ao Ministro, não é sua conduta privada, mas a presença de certo traço imperial, certo reacionarismo de opiniões, que no caso de um ministro pode custar muito ao país. Vejam que não digo ação técnica, derivada dos estudos, da capacidade intelectual e do pensamento profundo sobre o homem, mas da opinião raivosa e derivada dos terríveis meios da propaganda, das terríveis mídias que não informam e conduzem à certeza dos achismos.

As colunas sociais nunca me interessaram. Paga-se um alto preço, demandado pela necessidade das fofocas e interesses escusos, para fazer parte delas. A mídia pode custar, mas sempre cobra seu preço.

(oswaldo martins)

quinta-feira, 7 de março de 2013

Bricanagem


a palavra protozoário
nem de longe se equipara a munheca
mas ambas vivem soltas pelaí

para nossa eventual degustação
palavras deveriam permanecer
numa caixa de sapatos
amontoadas em ordem alfabética

não faz sentido:
já existe o dicionário e afinal
este mundo se resume a fiapo de linha
que entope a pia dos banheiros

(Ricardo Tollendal)

Por que razão não se deve obedecer ao rei


Alguns episódios políticos são exemplares. Há poucos anos, o Sr. Juan Carlos, denominado Rei de Espanha, em uma reunião com representantes legítimos de várias nações refere-se ao presidente da Venezuela, Hugo Chaves, perguntando por que razão não se calava. A expressão, além de mal educada, condiz com as relações históricas de subordinação do povo latino-americano em relação aos países por que foram dominados. O direito a que se arroga o Sr. Juan – aliás rei por determinação de um estado facista – tem raízes profundas no traço de dominação que os povos europeus e seus sequazes latino-americanos impuseram, fazendo com que ficássemos calados durante cinco séculos – retire-se, por óbvio, o caso cubano que nos antecipa e emancipa.

Donos de possessões que se espraiavam muito além dos domínios de suas terras, os impérios europeus espoliaram as riquezas, a liberdade e destruíram as culturas autóctones. E nos ensinaram a submissão a seus desejos e ordens imperiais. O imperativo de valorização das terras longínquas foi se transformando ao longo da falência do modelo de dominação em uma consciente degradação (preguiça, odor, cor) que buscou nos tornar exóticos a nossos próprios olhos, fazendo com que não só nos macaqueássemos à moda dos europeus, mas e sobretudo que aderíssemos a um padrão de civilização que não escolhêramos.

Algumas consciências obviamente se levantaram contrárias às amarras que tiveram como resultado a pobreza, o analfabetismo, a incruenta bestialização das pessoas. Essas consciências de que era necessário lutar contra as forças adstringentes, que se colaram em nossas peles, sempre foram massacradas pelo poder real ou de persuasão que séculos e séculos de investimentos impuseram como naturais.

A voz do Sr. Juan se replica por toda uma camada da população que se vê ainda atrelada aos ditames de uma lógica que propicia a divisão da sociedade em camadas sociais bem distintas e que não podem ou devem se misturar. Os privilégios são claros: melhores empregos, melhores roupas, imóveis e o odiento sentimento de superioridade.

A graça e a força de Hugo Chaves estão em não respeitar os limites que a dita sociedade formal tentou lhe impor. Suas frases são lapidares e dão orgulho aos povos latino-americanos, por que a partir de sua posição firme devolve as malcriações, devolve séculos de humilhação e promovem mudanças não só na forma de reestruturar a sociedade, mas criando espaços para que nós, latinos americanos nos orgulhemos do que somos.

(oswaldo martins)


quarta-feira, 6 de março de 2013

terça-feira, 5 de março de 2013

Mulheres no divã 1



Di Cavalcanti

RONNY SOMECK


Jasmin. Um Poema na Lixa

Fairuz ergue os lábios
para o céu.
Que chova jasmim
sobre todos que se conheceram
e não sabiam que estavam apaixonados.
Eu a ouvia cantar no Fiat de Muhammad,
ao meio dia na rua Ibn Gabirol:
Uma cantora libanesa a cantar num carro italiano,
conduzido por um poeta árabe de Baqa-al-Gharbiyye,
numa rua com o nome de um poeta hebraico da Espanha medieval.
E o jasmim?
Se cair dos céus do Armagedom
virará
por um instante
uma verde
luz
no próximo cruzamento.

DAHLIA RAVIKOVITCH (1936 – 2005)


para Itzchak Livni

Nove palavras eu lhe disse.
Você disse isso e aquilo.
Você disse: Você tem um filho,
Tem tempo, tem poesia.
As barras nas janelas ficaram gravadas em minha pele;
não dá para acreditar que aguentei tudo isso.
Eu não precisava, mesmo,
humanamente falando.
No dia Dez de Tevet o cerco começou;
no dia Dezessete de Tamuz a cidade caiu;
no Nono de Ab o templo foi destruído.
Eu suportei tudo isso sozinho.


Helmut Heissenbüttel


         Outono do poeta 1

         Quem exige a veracidade
         Tem de antes a si mesmo
         Desnudar disse
         Certa vez uma crítica ao
         Poeta mas quando ele o fez
         ela se espantou muito mais
         não se pode dizer disso


         (Trad. Rui Rothe-Neves e Georg Wink)


segunda-feira, 4 de março de 2013

Poesia 2013 Charles Simic

THE WHITE ROOM

The obvious is difficult
To prove. Many prefer
The hidden. I did, too.
I listened to the trees.

They had a secret
Which they were about to
Make known to me —
And then didn't.

Summer came. Each tree
On my street had its own
Scheherazade. My nights
Were a part of their wild

Storytelling. We were
Entering dark houses,
Always more dark houses,
Hushed and abandoned.

There was someone with eyes closed
On the upper floors.
The fear of it, and the wonder,
Kept me sleepless.

The truth is bald and cold,
Said the woman
Who always wore white.
She didn't leave her room much.

The sun pointed to one or two
Things that had survived
The long night intact.
The simplest things,

Difficult in their obviousness.
They made no noise.
It was the kind of day
People described as "perfect."

Gods disguising themselves
As black hairpins, a hand-mirror,
A comb with a tooth missing?
No! That wasn't it.

Just things as they are,
Unblinking, lying mute
In that bright light —
And the trees waiting for the night.

(Charles Simic)



O QUARTO BRANCO


O óbvio é difícil de
provar. Muitos preferem
o oculto. Eu também preferia.
Eu escutava as árvores.

Elas guardavam um segredo
que estavam prestes
a me revelar —
e não o fizeram.

Veio o verão. Cada árvore
de minha rua tinha sua própria
Xerazade. Minhas noites
faziam parte de suas histórias

selvagens. Entrávamos
em casas escuras,
casas sempre mais escuras,
silenciosas e abandonadas.

Havia alguém de olhos fechados
nos pisos superiores.
O medo e o fascínio me
mantinham bem desperto.

A verdade é nua e crua,
disse a mulher
que sempre se vestiu de branco.
Ela não saiu muito de seu quarto.

O sol apontava uma ou duas
coisas que tinham sobrevivido
intactas na longa noite.
As coisas mais simples,

difíceis em sua obviedade.
Essas não faziam barulho.
Era um dia do tipo
que as pessoas chamam "perfeito".

Deuses disfarçados de
grampos de cabelo, espelho de mão,
um pente com um dente faltando?
Não! Não era isso.

Apenas as coisas como são,
mudas, imóveis, sem piscar,
naquela luz brilhante —
e as árvores esperando a noite.

Tradução: Carlos Machado