quarta-feira, 5 de outubro de 2016

bêbada desimitação de homero

as embarcações partem das areias secas
à frente o busto da tragédia anuncia
o silêncio duro das sereias

quem com elas tange ondas de oceânico sal
quem sobre o branco dos olhos de poseidon
quem nas miríades do cemitério marinho

as embarcações secas
o busto de peixes carcomido
a água silenciada no abismo

eis o simulacro e o delírio dos ébrios
da linguagem solta, e dos vitupérios
eis a mão que mergulha e decepa


(oswaldo martins)

Nenhum comentário:

Postar um comentário